Dialogo

ciencia E inclusão KEY contra O racismo Sobre as Migrações diálogo Aprendizagem E Intuição

A Internet multiplicou exponencialmente as oportunidades de debater, mas é também responsável por ter acelerado o processo de segregação ideológica e a difusão das fraudes intelectuais. Raramente tenta-se aprender alguma coisa com quem tenha uma visão do mundo diferente. Quase sempre, as opiniões contrárias às nossas rejeitam-se à primeira desculpa e atacam-se agressivamente. As pedagogias baseadas na discussão podem ajudar os alunos a evoluirem para algo de mais interessante.

Achamos que a inovação no ensino que pretendemos promover através de KEY, baseada na discussão, estimula a capacidade de interpretar criticamente nova informação, de relaciona-la com o conhecimento adquirido em contextos muito diferentes, de construir autonomamente uma visão do mundo, e de sujeitá-la a constante reformulação. Esta atitude é fértil e até indispensável muito além da sala de aula de ciência. Mas a discussão, sem as necessárias cautelas, pode ter o efeito oposto. É necessário criar um clima em que é fácil assumir os erros. Quando mudamos de opinião por uma boa razão, por exemplo face a nova informação, declará-lo com orgulho encoraja mais pessoas a fazer a mesma coisa, torna as divergências menos ameaçadoras, e favorece a procura das melhores opiniões que contradizem o nosso ponto de vista. Isto conduz a uma compreensão das coisas e das pessoas muito mais profunda e construtiva.

Respeitar as pessoas que exprimem convicções que achamos ofensivas, é muitas vezes a maneira mais inteligente e eficaz de combater essas convicções. Analogamente a o que acontece durante uma aula, poder errar à vontade aumenta a possibilidade de corrigir o erro. Não é preciso reconhecer a legitimidade duma teoria para reconhecer a legitimidade da sua defesa. Admito que existem casos muito controversos, e que uma conduta aberta e conciliadora nem sempre é a mais apropriada. Mas a tendência a censurar com demasiada ligeireza, é decididamente o que carateriza a maioria das polêmicas.

Nas sessões que organizámos no âmbito de KEY 1.0, tratámos apenas a relatividade, não tivemos a oportunidade de trabalhar assuntos com uma maior carga emocional. Mas achamos que estas intervenções podem incentivar muitas das competências sociais e inteletuais necessárias para que os alunos e alunas possam desenvolver um forte espírito crítico.

Giancarlo Pace
Coordenador Equipa Key 1.0.

Escreva-nos

Obrigado! Recebemos a sua mensagem
Oops! Houve um problema, a sua mensagem não foi enviada.

Recebemos com prazer questões, críticas construtivas, propostas de colaboração, sugestões e comentários de estudantes, docentes, investigadoras e investigadores na área a pedagogia ou simplesmente leigos curiosos. Para o efeito, pode mandar um email a keysosracismo@gmail.com ou preencher o formulário à sua direita.